quarta-feira, 29 de outubro de 2014

Conceição e Primeira Lagoa recebem novas unidades de saúde


Uma das metas da política municipal de saúde desenvolvida pela Prefeitura é democratizar o acesso levando melhores condições de estrutura física, equipamentos e profissionais médicos para as comunidades rurais.
unidades de saúde nova cruz
Novas Unidades Básicas de Saúde de Primeira Lagoa e Conceição foram entregues pela Prefeitura
As famílias residentes nas comunidades rurais da Conceição e Primeira Lagoa, em Nova Cruz, foram beneficiadas ontem (24) com a entrega da reforma e ampliação das duas unidades básicas de saúde existentes nas localidades. Os prédios receberam nova pintura, trabalho de reboco e acabamento e teve todos os ambientes reestruturados para possibilitar maior comodidade para os profissionais e pacientes que utilizam o posto de saúde.
O prefeito Cid Arruda, ao lado da secretária de Saúde de Nova Cruz, Rita de Cássia Rodrigues, realizou pessoalmente a entrega à população das novas instalações e dos materiais necessários ao bom funcionamento da unidade. O prefeito reiterou seu compromisso com a melhoria da saúde com investimentos nas zonas urbana e rural do município. “Estamos trabalhando e hoje entregamos para a comunidade novas instalações reformadas, ampliadas e equipadas”, acentuou.
Em menos de dois anos, a gestão do prefeito Cid Arruda já em responsável pela reforma, ampliação ou construção de seis unidades de saúde em Nova Cruz. Duas delas nos bairros de Frei Damião e Planalto, na zona urbana, e outras quatro nas comunidades rurais de Lagoa Limpa do Fernando, Assentamento José Rodrigues Sobrinho e agora, na Conceição e Primeira Lagoa.
saúde nova cruz
Prefeito Cid Arruda e profissionais da saúde
Uma das metas da política municipal de saúde desenvolvida pela Prefeitura é democratizar o acesso à saúde pública levando melhores condições de estrutura física, equipamentos e profissionais médicos para as comunidades rurais do município.
Os primeiros passos vêm sendo dados com a revitalização dos postos de saúde, que ficaram abandonados nos quatros anos da gestão anterior. Dentro do novo modelo de gestão, Nova Cruz passou a contar com 14 equipes do Programa Saúde da Família que hoje é responsável por levar atenção básica de saúde para todas as áreas do município.

segunda-feira, 27 de outubro de 2014

Resultados para governador nos maiores municípios do RN




.
A eleição de ontem mostrou que o candidato, Robinson Faria ganhou em quase todos os grandes colégios eleitorais do RN..
O candidato derrotado, Henrique Alves perdeu em nos maiores municípios como Natal, Mossoró e Parnamirim, onde na soma dos três o governador eleito, Robinson Faria ganhou com uma maioria de 73.588 votos..
Confira os números:
             Parnamirim:
Robinson Faria – 43.918
Henrique Alves – 32.120                                                                                                                                                                                                                                                                                   Mossoró:
Robinson Faria – 79.619
Henrique Alves – 31.484                                                                                                                                                                                                                                                                                    Natal:
Robinson Faria – 175.433
Henrique Alves – 161.808                                                                                                                                                                                                                                                                                Ceará Mirim:
Robinson Faria – 19.294
Henrique Alves – 15.167
Currais Novos:
Robinson Faria – 9.109
Henrique Alves – 9.784
Nova Cruz:
Robinson Faria – 11.291
Henrique Alves – 7.874
São José de Mipibu:
Robinson Faria – 12.616
Henrique Alves – 7.122
Apodi:
Robinson Faria – 10.879
Henrique Alves – 10.577
João Câmara:
Robinson Faria – 9.136
Henrique Alves – 7.880
Macau:
Robinson Faria – 7.552
Henrique Alves – 7.986
Touros:
Robinson Faria – 8.439
Henrique Alves – 7.127                                                                                                                                                                                                                                                                                    Caicó: 
Robinson Faria – 15.640
Henrique Alves- 14.846
Assú:
Robinson Faria – 19.875
Henrique Alves – 10.259
São Gonçalo do Amarante:
Robinson Faria – 20.757
Henrique Alves – 22.007
Macaíba:
Robinson Faria – 17.790
Henrique Alves – 15.595
Pau dos Ferros:
Robinson Faria - 9.497
Henrique Alves – 5.008

quarta-feira, 22 de outubro de 2014

Debandada geral: Partido de Zé Agripino(DEM) em Areia Branca abandona Henrique Alves pra votar em Robinson

.
Liderado pela ex-candidata a prefeita, Iraneide Rebouças (DEM), todo grupo politico ligado ao senador José Agripino passou a apoiar o candidato ao governo, Robinson Faria…
Desta maneira, Henrique passa a contar apenas com o PMDB,  que segundo informações está insatisfeito pelo fato dos compromissos assumidos não terem sidos cumpridos.. fonte. http://blogdoprimo.com.br/

A diferença do Residencial Caravelas de Robinson para o Residencial Cabugi e Jacumã da família de Henrique Alves

Residencial Cabugi
Eu não sou tão velho, mas fiquei sabendo que Aluízio Alves quando foi governador, em 1960, doou um terreno para Rádio Cabugi, que por sinal ele era o proprietário.. Ou seja, ele doou um terreno público pra ele mesmo..
Neste terreno por muitos anos funcionou os transmissores da rádio…
Natal cresceu e o terreno foi se valorizando e os transmissores da Rádio Cabugi foi transferido para Zona Norte onde hoje funciona o Norte Shopping..
O terreno que o governador, Aluízio Alves, pai do candidato a governador, Henrique Alves, doou a ele mesmo, depois da retirada dos transmissores, deveria ter voltado ao patrimônio público…
Mas, não voltou.. O pai de Henrique Alves, com o crescimento da cidade resolveu ganhar dinheiro com o imóvel de origem publica.. O que o pai de Henrique Alves fez?
Edilício Jacumã, também construído num terreno que pertencia ao Estado.
Fez exatamente o que o candidato a governador, Robinson Faria fez no terreno de Parnamirim, permutando o terreno por apartamentos construídos.. Assim a família Alves recebeu vários apartamentos nos edifícios, Residencial Cabugi e no Edifício Jacumã, ambos construídos na margem direita da BR 101, quase defronte ao Campus Universitário e colados com o prédio da TV Cabugi na rua Libânia Pereira Galvão, vizinho ao Centro Administrativo do Governo do Estado, onde o terreno Aluízio desmembrou pra ele mesmo..
Agora as pessoas estão achando engraçado o fato de Henrique Alves ter esquecido dessa passagem e acusar Robinson Faria de ter trocado seu terreno para construir unidades do programa Minha Casa Minha Vida…
A diferença do terreno de Robinson para o terreno de Henrique Alves são duas:
A primeira, que Robinson deu uma destinação social ao terreno em Parnamirim para ser construídos imóveis populares, enquanto o terreno de Henrique Alves serviu para construir apartamento para classe média de Natal…
A segunda diferença, é o fato do terreno de Robinson ser fruto do trabalho de seus pais, empresário, Osmundo Farias e Dona Jane Mesquita Faria, de quem Robinson herdou, enquanto o terreno dos Alves foi fruto de uma doação do então governador, Aluízio, pra ele mesmo e sua família.. fonte.http://blogdoprimo.com.br/

segunda-feira, 20 de outubro de 2014

Apelação

Túlio Lemos

Definitivamente, a campanha de Henrique partiu para o desespero na última semana da eleição. Partidários do candidato do PMDB ‘trabalham’ na produção de material falso para confundir o eleitor. É a guerrilha de esgoto. Da sexta para o sábado, soltaram matéria falsa a respeito do suposto envolvimento de Robinson na delação premiada de George Olímpio. Amanheceram o sábado divulgando o resultado de duas pesquisas inexistentes. É o vale tudo da eleição.

DEMOLIÇÃO

O problema é que o pessoal está confundindo desconstrução do adversário com demolição da verdade. Não se derruba o opositor com matéria prima mentirosa. O efeito é contrário e com maior intensidade. Quem está orientando a campanha de Henrique está apenas ‘esquecendo’ esse detalhe, que faz toda a diferença.

PERMISSÃO

A Justiça Eleitoral permite que verdades sejam ditas por Henrique e Robinson, em troca de acusações sob o amparo da realidade. Fustigar o adversário usando material falso é de uma baixaria incomparável e revela que o vale tudo pelo poder sepulta até a lucidez.

ARMAÇÃO

Pelo que se comenta nos bastidores, armações estariam sendo projetadas para tentar criar um fato novo na campanha, a ponto de produzir reversão do quadro atual. A busca desesperada por algo com força suficiente para alterar o quadro, pode sair das páginas de política e se destacar na página policial.

CONIVÊNCIA

A multiplicação de uma notícia falsa é grave. Porém, adquire ainda mais gravidade, quando é o próprio candidato que republica a farsa, corroborando com algo claramente inexistente. Foi o caso de Henrique, que retuitou em seu microblog, resultado de uma pesquisa que não foi divulgada pelo instituto. Não é só caso de irresponsabilidade; mas também de conivência e cumplicidade com o delito.

DESMENTIDO

Outro aspecto relevante na participação de Henrique na tentativa de desqualificar a pesquisa do Ibope é que o instituto foi contratado pela Inter TV Cabugi, da qual o próprio Henrique é sócio. Ou seja: ao partir para dar veracidade a uma farsa, o candidato do PMDB desmente e desqualifica sua emissora.

EXPERIÊNCIA

Henrique, ao dar efeito multiplicador a uma mentira, também desqualifica um dos mais sérios profissionais do mercado de pesquisa do Estado, o professor Mardone França. Por ter experiência com diretor de instituto que erra ou frauda pesquisa, Henrique talvez tenha imaginado tratar-se da mesma pessoa e cometeu uma grave injustiça com o professor Mardone, reconhecido pela seriedade de seu trabalho.

DERROTA

Um deputado do PMDB conversou com este colunista na tarde de sexta-feira e admitiu claramente que a campanha de Henrique perdeu votos e a perda de votos provocou a perda do rumo, que o levará à derrota. O parlamentar eleito acha que uma semana é pouquíssimo tempo para haver uma mudança expressiva do quadro.

MOSSORÓ

O jornalista Carlos Santos conversou com o ministro da Previdência, Garibaldi Filho, que passou por Mossoró na última quinta-feira. Perguntado a respeito da possibilidade de Henrique vencer o segundo turno na capital do Oeste, o sincero pai de Waltinho expressou a verdade: “Não é isso. Trabalhamos para diminuir a diferença”.fonte,http://blogdoprimo.com.br/

Vexame II: parece que o povo de Mossoró tá expulsando o acordão do mesmo jeito que expulsou o Bando de Lampião


 


Posted on by


Por mais que seja a insistência do candidato, Henrique Eduardo Alves em tentar diminuir sua derrota em Mossoró fazendo movimentações o desmantelo só faz aumentar.
Henrique fez mais uma tentativa com sua galera que disputou a eleição e foram derrotados, de um lado com a ex-prefeita, Fáfá Rosado e seu marido deputado Leonardo Nogueira e por outro lado com as deputadas, Sandra e Larissa Rosado, ambas também derrotadas…
A coisa foi feia, um verdadeiro vexame.. É melhor Henrique tirar em debandada, como Lampião fez…







Vexame do acordão em Mossoró

Hermes Castro
Hermes Castro
Até onde chega a vergonha de uma pessoa?
Uma das maiores virtudes do homem é o reconhecimento. Reconhecer seus erros, reconhecer que fez planejamentos errados, reconhecer que não adianta ir de encontro ao anseio popular.
Essa foto foi retirada agora a pouco em uma “mobilização” do ministro Garibaldi Alves.
Simplesmente deprimente.
Repito o que eu disse em uma outra oportunidade: Ex-prefeita Fafá e ex deputado Leonardo, ainda dá tempo de corrigir seus erros em ter entrado nesse acordão e ae voltar para o povo.fonte.http://blogdoprimo.com.br/

quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Para Zé Dias, Henrique Alves é um dos “chefões” da corrupção na Petrobrás


Deputado estadual, José Dias ressalta envolvimento do candidato do PMDB em escândalo de corrupção na estatal


65ui67i4ii
O deputado estadual José Dias (PSD) afirmou hoje que o presidente da Câmara dos Deputados e candidato do PSD a governador do Rio Grande do Norte, deputado federal Henrique Eduardo Alves, é suspeito de ter recebido dinheiro desviado dos cofres da Petrobras, segundo a deleção do ex-diretor de Abastecimento da companhia, Paulo Roberto Costa, conforme investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal.  Segundo o pessedista, a hegemonia de apoios conquistada pelo peemedebista no primeiro turno talvez seja explicada pelo escândalo da Petrobras. “Henrique era o Deus do Olimpo, e nós éramos todos aqueles que queriam, pelo menos, olhar para o Olimpo. Se ele não ganhou no primeiro turno, ele, na realidade, perdeu. Porque apostava na vitória no primeiro turno. Porque fez promessas mirabolantes. Promessas que um dia alguém vai escrever no folclore político. Porque são promessas que o próprio ministro Garibaldi Filho na minha cidade Umarizal disse que eram irrealizáveis. Só que há um movimento político que é contra essa hegemonia. Hegemonia construída, só Deus sabe como… Talvez o escândalo da Petrobras explique”, disse Dias, durante entrevista ao Jornal da Cidade, da FM 94.
“Claro, (Henrique é suspeito) de ter recebido dinheiro da Petrobras”, completou José Dias. “Olha eu não digo a você que ele é chefão de nada. Ele é quem diz que é chefão. Você já viu Henrique dizer que é igual à gente? Você ver dizer que ele tem poder. Quem tem o poder que ele tem para abrir todas as portas, que tem o poder para fazer tudo, ele não é chefão? Chefão não somos nós, que somos pessoas humildes, exercemos as nossas profissões tentando ser dignos delas. Nós não somos chefões. Henrique é quem diz que tem poder. Você acha que alguém deste esquema é mais poderoso que ele? Só Michel Temer”, afirmou Dias, se referindo, ainda, ao vice-presidente da República, Michel Temer, do PMDB.
Henrique foi citado pela revista Veja como um dos beneficiários do esquema de desvio de recursos da Petrobras através de empresas construtoras de obras públicas que abastecem campanhas eleitorais. Apenas de duas dessas empresas Henrique recebeu oficialmente cerca de R$ 6,5 milhões para sua campanha ao governo do Estado. Segundo José Dias, o fato de ser suspeito de ter recebido recursos advindos de corrupção seria suficiente para Henrique não ter o voto do eleitor potiguar.
O parlamentar reeleito acredita, inclusive, que o envolvimento de Henrique com a Operação Lava Jato foi um dos elementos responsáveis para levar a eleição para o segundo turno. “Politicamente, no escândalo que é o maior do mundo, Henrique é citado. Ele, o presidente do Senado. E acho que isso teve influência, não tenho a menor dúvida”. José Dias acrescenta, ainda sobre o escândalo da Petrobras, que uma decisão judicial proíbe novas revelações. “Então só vamos ter conhecimento do escândalo depois”.
José Dias faz a ressalva de que a citação ao nome de Henrique não significa que ele seja culpado. “Se você ler todas as referências, as notas nos blogs nacionais, aqui no Rio Grande do Norte tem pouco, mas, nos blogs nacionais, na IstoÉ, na Veja, no Estado de S. Paulo, no Valor Econômico, enfim, de vez em quando, você vê uma referência ao nome do homem. Isso significa que ele é o culpado e vai para a cadeia? Não estou falando isso. Deus me livre de falar uma coisa dessas. Mas um homem com suspeita, para mim, não merece o meu voto para governador”.
Para José Dias, embora não provado, vez que todos os fatos não estão revelados, “mas pelo menos há um pedacinho, um fio do novelo foi puxado”. Declarou o deputado: “Na hora que o nome dele foi citado, que foi citado enfaticamente, aí que a gente tem que botar a orelha em pé, porque eu mereço o favor da presunção de inocência, claro, todo mundo merece. Criminalmente sim, politicamente, não. Um político é como a mulher de César, ele não pode só ser honesto, precisa parecer. Por que não citaram Pedro Simon? Por que não citaram o Jarbas Vasconcelos? por que não citaram o Cristovam Buarque? Por que não citam essas pessoas? Eu não vou nem dizer porque não cita a gente aqui, por que aqui não somos nada. Daqui, só é grande Henrique”, disse o deputado.
Enquanto no Direito há o devido processo legal que deve ser respeitado, com ampla defesa e contraditório, “na Política existe a obrigação de você não parecer comprometido com coisas que não são corretas”. Além disso, no que toca a Henrique, Dias afirma que “ele não tem um histórico tão limpo porque foi super secretário do governo Garibaldi, originando um processo em que foi condenado por improbidade administrativa”.
“Henrique manipula dados contra Robinson Faria”
O deputado José Dias acusou Henrique Alves de manipular informações com o intuito de atingir a imagem do vice-governador Robinson Faria. Ele se refere à acusação da campanha do peemedebista, que aponta que Robinson gastou R$ 9 milhões por ano como vice sem nada produzir para o Estado.
“A manipulação que o deputado Henrique fez em relação à vice-governadoria é uma coisa que depõem contra qualquer pessoa, é vergonhosa. Primeiro ele desconhece a função o vice-governador, que é substituir e suceder o governador, exercer funções especiais se for designado pelo governador, podendo ser secretário, outra coisa qualquer. Mas ele fala que se gastou muito na gestão de Robinson, mas uma comparação mostra que Robinson foi o que menos gastou no comparativo com os vices anteriores, inclusive apoiados por Henrique”, diz Dias, mostrando uma tabela.
Diz o parlamentar: “Henrique manipula o negócio de uma forma vergonhosa, mas deveria informar ao povo o que significa a vice-governadoria”, declarou, comparando o presidente da Câmara ao presidente russo, Wladimir Putin. “Eu confesso a você que o candidato Henrique é o presidente da Câmara, mas se julga um Putin. Ele é o Putin brasileiro, é Hércules”.
Dias também questionou a demissão do ex-diretor do Departamento Nacional de Obras contra a Seca (DNOCS), Elias Fernandes, indicado por Henrique, sob suspeita de corrupção. “Se você for à internet vai encontrar matérias falando da demissão de Elias Fernandes do DNOCS, que foi demitido covardemente. Henrique diz que construiu 500 e tantos poços, mas não foi ele, foi Elias que construiu os poços. As outras coisas do DNOCS (suspeita de corrupção) não foi Elias que fez e quem deveria estar respondendo ao processo era Henrique. Como é que ele faz os poços, decide tudo e quem vai responder ao processo é Elias? É uma coisa uma contundência, isso não é justo”.  fonte,  http://blogdoprimo.com.br/