quarta-feira, 15 de outubro de 2014

Para Zé Dias, Henrique Alves é um dos “chefões” da corrupção na Petrobrás


Deputado estadual, José Dias ressalta envolvimento do candidato do PMDB em escândalo de corrupção na estatal


65ui67i4ii
O deputado estadual José Dias (PSD) afirmou hoje que o presidente da Câmara dos Deputados e candidato do PSD a governador do Rio Grande do Norte, deputado federal Henrique Eduardo Alves, é suspeito de ter recebido dinheiro desviado dos cofres da Petrobras, segundo a deleção do ex-diretor de Abastecimento da companhia, Paulo Roberto Costa, conforme investigações da Operação Lava Jato, da Polícia Federal.  Segundo o pessedista, a hegemonia de apoios conquistada pelo peemedebista no primeiro turno talvez seja explicada pelo escândalo da Petrobras. “Henrique era o Deus do Olimpo, e nós éramos todos aqueles que queriam, pelo menos, olhar para o Olimpo. Se ele não ganhou no primeiro turno, ele, na realidade, perdeu. Porque apostava na vitória no primeiro turno. Porque fez promessas mirabolantes. Promessas que um dia alguém vai escrever no folclore político. Porque são promessas que o próprio ministro Garibaldi Filho na minha cidade Umarizal disse que eram irrealizáveis. Só que há um movimento político que é contra essa hegemonia. Hegemonia construída, só Deus sabe como… Talvez o escândalo da Petrobras explique”, disse Dias, durante entrevista ao Jornal da Cidade, da FM 94.
“Claro, (Henrique é suspeito) de ter recebido dinheiro da Petrobras”, completou José Dias. “Olha eu não digo a você que ele é chefão de nada. Ele é quem diz que é chefão. Você já viu Henrique dizer que é igual à gente? Você ver dizer que ele tem poder. Quem tem o poder que ele tem para abrir todas as portas, que tem o poder para fazer tudo, ele não é chefão? Chefão não somos nós, que somos pessoas humildes, exercemos as nossas profissões tentando ser dignos delas. Nós não somos chefões. Henrique é quem diz que tem poder. Você acha que alguém deste esquema é mais poderoso que ele? Só Michel Temer”, afirmou Dias, se referindo, ainda, ao vice-presidente da República, Michel Temer, do PMDB.
Henrique foi citado pela revista Veja como um dos beneficiários do esquema de desvio de recursos da Petrobras através de empresas construtoras de obras públicas que abastecem campanhas eleitorais. Apenas de duas dessas empresas Henrique recebeu oficialmente cerca de R$ 6,5 milhões para sua campanha ao governo do Estado. Segundo José Dias, o fato de ser suspeito de ter recebido recursos advindos de corrupção seria suficiente para Henrique não ter o voto do eleitor potiguar.
O parlamentar reeleito acredita, inclusive, que o envolvimento de Henrique com a Operação Lava Jato foi um dos elementos responsáveis para levar a eleição para o segundo turno. “Politicamente, no escândalo que é o maior do mundo, Henrique é citado. Ele, o presidente do Senado. E acho que isso teve influência, não tenho a menor dúvida”. José Dias acrescenta, ainda sobre o escândalo da Petrobras, que uma decisão judicial proíbe novas revelações. “Então só vamos ter conhecimento do escândalo depois”.
José Dias faz a ressalva de que a citação ao nome de Henrique não significa que ele seja culpado. “Se você ler todas as referências, as notas nos blogs nacionais, aqui no Rio Grande do Norte tem pouco, mas, nos blogs nacionais, na IstoÉ, na Veja, no Estado de S. Paulo, no Valor Econômico, enfim, de vez em quando, você vê uma referência ao nome do homem. Isso significa que ele é o culpado e vai para a cadeia? Não estou falando isso. Deus me livre de falar uma coisa dessas. Mas um homem com suspeita, para mim, não merece o meu voto para governador”.
Para José Dias, embora não provado, vez que todos os fatos não estão revelados, “mas pelo menos há um pedacinho, um fio do novelo foi puxado”. Declarou o deputado: “Na hora que o nome dele foi citado, que foi citado enfaticamente, aí que a gente tem que botar a orelha em pé, porque eu mereço o favor da presunção de inocência, claro, todo mundo merece. Criminalmente sim, politicamente, não. Um político é como a mulher de César, ele não pode só ser honesto, precisa parecer. Por que não citaram Pedro Simon? Por que não citaram o Jarbas Vasconcelos? por que não citaram o Cristovam Buarque? Por que não citam essas pessoas? Eu não vou nem dizer porque não cita a gente aqui, por que aqui não somos nada. Daqui, só é grande Henrique”, disse o deputado.
Enquanto no Direito há o devido processo legal que deve ser respeitado, com ampla defesa e contraditório, “na Política existe a obrigação de você não parecer comprometido com coisas que não são corretas”. Além disso, no que toca a Henrique, Dias afirma que “ele não tem um histórico tão limpo porque foi super secretário do governo Garibaldi, originando um processo em que foi condenado por improbidade administrativa”.
“Henrique manipula dados contra Robinson Faria”
O deputado José Dias acusou Henrique Alves de manipular informações com o intuito de atingir a imagem do vice-governador Robinson Faria. Ele se refere à acusação da campanha do peemedebista, que aponta que Robinson gastou R$ 9 milhões por ano como vice sem nada produzir para o Estado.
“A manipulação que o deputado Henrique fez em relação à vice-governadoria é uma coisa que depõem contra qualquer pessoa, é vergonhosa. Primeiro ele desconhece a função o vice-governador, que é substituir e suceder o governador, exercer funções especiais se for designado pelo governador, podendo ser secretário, outra coisa qualquer. Mas ele fala que se gastou muito na gestão de Robinson, mas uma comparação mostra que Robinson foi o que menos gastou no comparativo com os vices anteriores, inclusive apoiados por Henrique”, diz Dias, mostrando uma tabela.
Diz o parlamentar: “Henrique manipula o negócio de uma forma vergonhosa, mas deveria informar ao povo o que significa a vice-governadoria”, declarou, comparando o presidente da Câmara ao presidente russo, Wladimir Putin. “Eu confesso a você que o candidato Henrique é o presidente da Câmara, mas se julga um Putin. Ele é o Putin brasileiro, é Hércules”.
Dias também questionou a demissão do ex-diretor do Departamento Nacional de Obras contra a Seca (DNOCS), Elias Fernandes, indicado por Henrique, sob suspeita de corrupção. “Se você for à internet vai encontrar matérias falando da demissão de Elias Fernandes do DNOCS, que foi demitido covardemente. Henrique diz que construiu 500 e tantos poços, mas não foi ele, foi Elias que construiu os poços. As outras coisas do DNOCS (suspeita de corrupção) não foi Elias que fez e quem deveria estar respondendo ao processo era Henrique. Como é que ele faz os poços, decide tudo e quem vai responder ao processo é Elias? É uma coisa uma contundência, isso não é justo”.  fonte,  http://blogdoprimo.com.br/

Nenhum comentário:

Postar um comentário