quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Prefeituras do RN fecham as portas em protesto contra crise financeira

Nos dias 5 e 6 de novembro as prefeituras do Rio Grande do Norte vão fechar em protesto 'coletivo e simbólico' contra a crise financeira. A informação foi confirmada pela Federação dos Municípios do Rio Grande do Norte (Femurn) que informou ainda que a decisão foi tomada em assembleia realizada nesta terça-feira (29).

No protesto, que faz parte do movimento SOS Municípios, lançado no último dia 21, as Prefeituras terão suas sedes administrativas fechadas e sinalizadas com uma faixa preta e uma mensagem à população. Os serviços públicos essenciais serão preservados.

Presidente da Femurn, Benes Leocádio, diz que essa é 'a hora de agir' (Foto: Canindé Soares)
Também nos dias 5 e 6, uma comissão de prefeitos, liderada pelo presidente da Femurn, Benes Leocádio, estará em Brasília onde pretende visitar todos os parlamentares federais do Estado. Os prefeitos pretendem solicitar que deputados e senadores se comprometam em votar de acordo com os interesses dos municípios.
Além disso, segundo a Femurn, todos os prefeitos se comprometeram em telefonar para os deputados e senadores para exigir que votem a favor de medidas de socorro às gestões municipais. Os gestores também pretendem procurar os veículos de comunicação locais para prestar esclarecimentos à população e conscientizar a respeito dos problemas decorrentes da falta de recursos financeiros.

Uma das medidas solicitadas ao Congresso Nacional é a aprovação da Proposta de Emenda Constitucional 39 que aumenta em 2% a destinação dos recursos arrecadados com o Imposto de Renda e o Imposto sobre Produção Industrial (IPI) para o Fundo de Participação dos Municípios (FPM).

Nos dias 11 e 12 de novembro, a Confederação Nacional dos Municípios promoverá, conjuntamente com as Federações Estaduais, uma grande mobilização junto ao Congresso Nacional dos Municípios. “Temos de agir agora. A hora é essa. Se medidas não forem tomadas agora, os municípios não terão condições de governabilidade em 2014”, afirmou o presidente da Femurn.fonte g1 rn
   

Nenhum comentário:

Postar um comentário